TERRA OUTUBRO/2011 – 7 BILHÕES.

 Ainda neste mês de outubro alcançaremos a marca de  7 bilhões de pessoas vivendo nesse planeta chamado Terra.  Como uma  espécie predatória que destrói a própria raça e aniquila o meio em que vive, os seres humanos são cada vez mais numerosos e agressivos. Dos  exemplares que povoaram algumas regiões do planeta na aurora da humanidade restam poucas lembranças. Talvez pela dificuldade de explicar como  chamamos  a atual versão do espécime  de “homem moderno”.  Somos o resultado daquilo que a ciência chama de “evolução”. Criamos mecanismos complexos, meios sofisticados de obtenção dos recursos naturais necessários à nossa sobrevivência  e alcançamos excelência na exploração  das riquezas que a natureza nos proporciona. Hoje  nos perguntamos : a que custo?

 Produzimos muito e temos cada vez mais famintos.  Desenvolvemos os mais incríveis produtos e procedimentos para a saúde humana e morremos de dengue, febre amarela, esquistossomose. Alcançamos os mais avançados padrões de produção, rendemos cada vez mais, acumulamos bens e fortunas e morremos de tédio, de depressão, de solidão.

Para onde caminhamos?  A cada bilhão de pessoas que aumentam a densidade desse planeta vemos crescer as diferenças. As desigualdades. A população cresce mais onde há mais pobres e miseráveis e onde as políticas de saúde preconizadas pelos organismos internacionais não chegam.  Enquanto  países  continentes envelhecem e encolhem sendo cada vez mais fechados, milhões de refugiados  se aglomeram em campos criados pelas guerras e ataques que esses mesmos  países e continentes, velhos e fechados, criaram para a manutenção do seu status de “líderes da humanidade”.

Infelizmente, caros leitores, esse é o típico caso onde o diagnóstico é menos  ruim do que o prognóstico. Sabemos qual o mal que nos aflige. O problema é que não nos dispomos a aderir ao tratamento necessário. Vamos morrer disso, afinal ainda não fazemos distinção entre  MATO (sujeira e entulho acumulados em terrenos baldios)  E CERRADO. 

 

 

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *